segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

0 A minha casa será chamada casa de oração




Dizendo-lhes: Está escrito: A minha casa é casa de oração; mas vós fizestes dela covil de salteadores. Lucas 19:46

E os seus discípulos lembraram-se do que está escrito: O zelo da tua casa me devorou. João 2:17

Sempre me lembro dessas passagens das Escrituras Sagradas quando chega ao meu conhecimento alguns absurdos que acontecem atualmente no meio do nosso povo, o povo evangélico.

O Senhor Jesus entra no templo de Deus quando de repente depara-se com uma cena estarrecedora: Dezenas de pessoas transformando o templo de Deus num comércio, num mercado onde se vendiam pombas para sacrifícios, bodes, ovelhas etc. em outras palavras, negociava-se com a fé do povo.

Do que poderíamos lembrar quando entramos em vários templos evangélicos nos dias de hoje? Fico imaginando Jesus entrando em várias Igrejas (TEMPLOS) e deparando-se com pessoas negociando a fé do povo de Deus, usando artifícios como rosa ungida, flores de Jerusalém, água do Rio Jordão, areia do Monte Sinai etc.

É um absurdo o que estão fazendo com o Evangelho Imaculado de Jesus. Enquanto a Bíblia nos diz que a “CASA DE DEUS” deve ser chamada: “CASA DE ORAÇÃO”, alguns a transformam em casa de negociação e negociatas. Isso sem falar daqueles que vendem as Igrejas em períodos eleitorais e as transformam em propriedade de políticos inescrupulosos e corruptos. Mas não nos enganemos, pois o mesmo Jesus que pegou o “chicote” e expulsou os negociantes ainda está VIVO e o seu zelo continua ativo. Deus não tolera as coisas absurdas que alguns estão fazendo com a sua casa e com certeza no tempo certo ele dará a estes a recompensa.

Isso sem falar do abandono da doutrina bíblica e a adesão a uma teologia puramente humanista e materialista, não respeitando a cruz de Cristo nem o sacrifício de milhares de mártires que com as suas vidas a preservaram. Repito: Deus está vendo os que corrompem a sua casa e o verdadeiro evangelho em nome da sua ganância pessoal e deles a Bíblia diz:

·         Estes são manchas em vossas festas de amor, banqueteando-se convosco, e apascentando-se a si mesmos sem temor; são nuvens sem água, levadas pelos ventos de uma para outra parte; são como árvores murchas, infrutíferas, duas vezes mortas, desarraigadas; Judas 1:12

·         Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos. Salmos 1:5

·         Mas os ímpios perecerão, e os inimigos do Senhor serão como a gordura dos cordeiros; desaparecerão, e em fumaça se desfarão. Salmos 37:20

Paz a todos,

                        João Augusto de Oliveira


0 1º Trim. 2015 - Lição 5 - Não tomarás o nome do Senhor Deus em vão

 
 
 
PORTAL ESCOLA DOMINICAL
PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015
OS DEZ MANDAMENTOS: valores divinos para uma socieade em constante mudança
COMENTARISTA: ESEQUIAS SOARES DA SILVA
COMENTÁRIOS - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP
 
 
 
HINOS SUGERIDOS: 135, 154, 531.
 
ESBOÇO Nº 5
LIÇÃO Nº 5 – NÃO TOMARÁS O NOME DO SENHOR DEUS EM VÃO
                        O terceiro mandamento proíbe a banalização do nome do Senhor e exige que andemos na verdade.
INTRODUÇÃO
- Na continuidade do estudo dos dez mandamentos, analisaremos o terceiro mandamento.
- O terceiro mandamento proíbe a banalização do nome do Senhor e exige que andemos na verdade.
I – QUAL É O TERCEIRO MANDAMENTO
- Na continuidade do estudo dos dez mandamentos, analisaremos o terceiro mandamento.
- Já sabemos que há uma distinta divisão dos dez mandamentos entre os diversos segmentos da Cristandade, como também entre os judeus. O terceiro mandamento, segundo o texto bíblico, é “Não tomarás o nome do Senhor em vão, porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o Seu nome em vão” (Ex.20:7; Dt.5:11). Para os protestantes (com exceção dos luteranos), os ortodoxos e os judeus, é este o terceiro mandamento. Na “fórmula catequética” adotada pela Igreja Romana e seguida pelos luteranos, este é o segundo mandamento.
OBS: Flávio Josefo considera este como o terceiro mandamento e lhe dá o seguinte sentido: “Não se deve jurar em vão o nome do Senhor” (Antiguidades Judaicas III, 4. In: História dos hebreus. Trad. de Vicente Pedroso, v.1, p.69).
 
 A expressão “tomarás”, no original hebraico, é a palavra “nashã’ ” (נשא), palavra que, segundo a Bíblia de Estudo Palavra Chave, tem “…grande variedade de aplicações literais e figuradas, absoluta e relativamente (…) A categoria final é tirar. A palavra pode ser usada no sentido simples, de tomar alguma coisa…” (Dicionário do Antigo Testamento, n. 5375, pp.1808-9).
 


sábado, 24 de janeiro de 2015

0 Enquanto dormimos, o Brasil se islamiza



Temos problemas demais no Brasil para importarmos mais um. O islã não irá resolver nenhum dos nossos problemas, apenas multiplicá-los. Mesmo assim, graças a um maciço financiamento saudita, ajudada por uma política externa que coloca os “islâmicos” como vítimas, o islamismo avança no Brasil.
O número de mesquitas se triplicou nesta década, sendo criadas mesmo onde não existem muçulmanos. A ação de dawa (a pregação visando angariar novos adeptos) se intensifica por todos os meios, desde contatos pessoais, a campanhas, a tentativas de “diálogos inter-religiosos”, ação intensa na internet e Facebook, e até mesmo na tentativa de convencer as mulheres brasileiras a se casarem com muçulmanos através de “namoros via internet” necessariamente passando pela “conversão” da noiva brasileira.
Mesquitas-no-Brasil
Não existem muçulmanos o suficiente que justifiquem a construção maçica de mesquitas ao redor do Brasil
Os “islâmicos” se juntam ao movimentos auto-intitulados como “minoritários” ou “raciais” e já reclamam um estado diferenciado para eles (vem aí, a quota para muçulmanos). E, lamentavelmente, militantes da “esquerda revolucionária” os apoiam. Uma das estratégias de propagação do islã visa os negros, as prisões, e as comunidades mais carentes (neste último caso, com a colaboração do governo).
A estratégia de se fazer de vítima inclui se passar por uma raça.
Mas vale sempre a pergunta: QUE RAÇA É O ISLÃ?
A exemplo da Europa, começa a haver a importação de muçulmanos de áreas de conflito (por exemplo, Síria – mas nunca de cristãos que vivem sob o mesmo conflito), bem como o estabelecimento de vizinhanças onde apenas moram muçulmanos.
A Sharia Financeira impõe negócios no Brasil, começando a investir na agro-indústria. A indústria de alimentos halal (permitidos), que já existe no Brasil visando a exportação de carne para os países árabes, começa a se expandir. Será que corremos o mesmo perigo do que acontece na Grã-Bretanha, onde a indústria halal passou a dominar o mercado sem o conhecimento da maioria da população, que não é muçulmana?
Existe um esforço de ensino compulsório do islamismo nas escolas primárias e secundárias no Brasil. Este fato é bem documentado, passando desde de uma iniciativa de projeto-de-lei no Congresso Federal a iniciativas já em curso em algumas escolas ao redor do Brasil. O problema deste ensino compulsório do islamismo é múltiplo: (a) a versão do islamismo é sanitizada e propagandista (por exemplo, nada de falar a verdade sobre Maomé) por ser a versão islâmica dos fatos; (b) não existe ensino compulsório do cristianismo, judaísmo, hinduísmo, budismo, taoísmo, ateísmo, agnosticismo, etc, nas escolas brasileiras. Porque então uma exceção para o islã?; (c) esta é uma tentativa de arregimentar novos adeptos. Vamos explorar isso, traçando paralelos com o que acontece em outros países Europeus e norte-americanos.
projeto Ensino_Islamico
O projeto-de-lei que propõe a obrigatoriedade do ensino do islamismo nas escolas brasileiras tem um arrazoado distorcido e propagandista. Imagine se ele se tornar lei?
O islã vai ser apresentado como uma opção para resolver o problema das mulheres brasileiras que “perderam o pudor.” Nos já sabemos que o islã têm regras bastante específicas com respeito às mulheres, que causam as mulheres a perderem muito mais do que o pudor, mas as faz perderem a sua própria identidade.
Sites e facebooks “radicais” começam a aparecer. Ao mesmo tempo, brasileiros rumam para o exterior para terem treinamento como imãs (clérigos islâmicos) no Egito, Arábia Saudita ou Irã, ou como jihadistas (inclusive, jihadistas brasileiros já morreram lutando em pról de Alá como mujahadins). Isso sem falar já em casos registrados no Brasil.
Capa de um dos grupos do Facebook dedicados a islamização do Brasil
Que tal um Partido Islâmico do Brasil? Parece brincadeira mas já se fala sobre isso nos “bastidores da jihad brasileira.” Contudo, a opção preferencial parece ser a de penetrar nos partidos políticos existentes, nos órgãos do governo, no próprio governo, e nas forças armadas. Isto é o que acontece em outros países. A estratégia para o Brasil é a mesma.
Que tal este projeto para uma nova bandeira do Brasil?
É preocupante saber que os “islâmicos” estão involvidos com o tráfico internacional de drogas. É hiper-super procupante de se imaginar se (ou quando) os traficantes se tornarem “muçulmanos” e passarem a exigir um tratamento diferenciado por serem “perseguidos por serem muçulmanos.” Isso parece brincadeira, mas isso acontece no exterior.
E no Brasil, ainda temos a questão da Tríplice-Aliança.
Os grupos muçulmanos mais radicais, como a CAIR (Conselho de Relação Americana-Islâmica) nos EUA (a CAIR é um braço da Irmandade Muçulmana), tentam silenciar toda e qualquer análise crítica ao islã, a Maomé, e à Sharia, inclusive processando as pessoas que fazem esta análise crítica (por exemplo, citar um verso do Alcorão ou discutir algo que um clérigo saudita tenha dito) acusando-as de racismo, islamofobia ou disseminadores de ódio. Ações deste tipo estão sendo planejadas pelo movimento pró-Jihad no Brasil.
My_Jihad_no_Brasil
Foto retratando a visita do diretor da CAIR, dos EUA, a Ministra Maria do Rosário. Os islâmicos brasileiros contam com o apoio do governo federal para silenciar toda a crítica ao islã
Eu irei explorar todos estes assuntos em uma nova série que estou abrindo, intitulada “Islamização do Brasil.” Serão artigos específicos respaldados em fatos e mostrando onde a ideologia islâmica se enquadra e onde a lei islâmica os respalda. E uma lista destes artigos estará contida em uma postagem específica, intitulada “Islamização do Brasil – Exemplos.”
Espero que esta série te dê ferramentas para conversar como os seus parentes e amigos, e como os seus representantes políticos.
O problema é sério demais para ser empurrado para debaixo do tapete.
Nós no Brasil precisamos de paz. Nós não precisamos de islã.
Extraído do site http://infielatento.blogspot.ca/ em 24/01/2015

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

0 O Espiritismo é religião?






Como acontece com outras organizações religiosas que não querem assumir seu caráter de religião, o espiritismo, a princípio, nega essa sua condição de entidade religiosa:
O espiritismo é, antes de tudo, uma ciência, e não cuida de questões dogmáticas.
 Melhor observado depois que se generalizou, o espiritismo vem derramar luz sobre um grande número de questões, até hoje insolúveis ou mal compreendidas. Seu verdadeiro caráter é, portanto, o de uma ciência e não de uma religião (“O Que É o Espiritismo”, p. 294, Opus Editora Ltda., 2ª edição especial, 1985).
Em lugares novos, onde os espíritas começam a penetrar, a primeira coisa que propagam é dizer que o espiritismo não é religião.
Depois, tiram a máscara e identificam-se como religião:
O espiritismo foi chamado a desempenhar um papel imenso na Terra. Reformará a legislação tantas vezes contrária às leis divinas; retificará os erros da História; restaurará a religião do Cristo, que nas mãos dos clérigos se transformou em comércio e tráfico vil; instituirá a verdadeira religião, a religião natural, a que parte do coração e vai direto a Deus, sem se deter às abas de uma sotaina ou nos degraus de um altar (“Obras Póstumas. Obras Completas.” Editora Opus, p. 1206, 2ª edição especial).
Aproxima-se a hora em que terás de declarar abertamente o que é o espiritismo e mostrar a todos onde está a verdadeira doutrina ensinada pelo Cristo. A hora em que, à face do Céu e da Terra, deverás proclamar o espiritismo como única tradição realmente cristã, a única instituição verdadeiramente divina e humana (“Obras Póstumas. Obras Completas.” Editora Opus, 2ª edição especial, p. 1210) (destaques nossos).
O espiritismo reivindica ser uma religião. Afirma ser a verdadeira religião, superior a todas as outras, ainda que alguns de seus adeptos aleguem que o espiritismo seja uma filosofia ou ciência.
O Cristianismo tem seus fundamentos históricos e doutrinários baseados na Bíblia. Qualquer movimento religioso que alegue ser cristão deve ter seus ensinos confrontados com a Palavra de Deus para se verificar a veracidade dos mesmos e se, de fato, podem ser chamados cristãos.
Extraído da Série Apologética Vol 2, ICP

domingo, 18 de janeiro de 2015

2 1º Trim. 2015 - Lição 4 - Não farás imagens de esculturas

                                     


                                    PORTAL ESCOLA DOMINICAL

PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015
OS DEZ MANDAMENTOS: valores divinos para uma sociedade em constante mudança
COMENTARISTA: ESEQUIAS SOARES DA SILVA
COMENTÁRIOS - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP

             Escrito por  Caramuru Afonso Francisco                                                                                            
HINOS SUGERIDOS: 124, 131, 407.

ESBOÇO Nº 4
LIÇÃO Nº 4 – NÃO FARÁS IMAGENS DE ESCULTURA
                        O segundo mandamento proíbe qualquer uso de bens materiais para adoração.
INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo dos dez mandamentos, analisaremos o segundo mandamento, que proíbe fazer imagens de escultura.
- O segundo mandamento proíbe qualquer uso de bens materiais para adoração.
I – QUAL É O SEGUNDO MANDAMENTO
- Na sequência do estudo dos dez mandamentos, analisaremos o segundo mandamento, que proíbe fazer imagens de escultura.
- Consoante vimos na lição anterior, a divisão dos dez mandamentos é feita diferentemente entre os estudiosos das Escrituras Sagradas. Os mestres judeus costumam considerar como primeiro mandamento o que é, na verdade, o prefácio dos mandamentos, a apresentação de Deus como sendo o único Deus e Aquele que havia tirado o povo de Israel da escravidão do Egito (Ex.20:2; Dt.5:6), algo que não é adequado, já que se tem aqui qualquer preceito, mas uma introdução.
- Vimos, também, que Agostinho apresentou, em alguns de seus escritos, uma “fórmula catequética” em que considera como primeiro mandamento  “adorar a Deus e amá-l’O sobre todas as coisas”, fórmula que foi seguida pela Igreja Romana, sendo adotada tanto no Catecismo Romano, elaborado após o Concílio de Trento (1545-1563) em 1566, que foi convocado precisamente para combater a Reforma Protestante, como no atual Catecismo da Igreja Católica, que data de 1992, fórmula esta bastante conveniente para os propósitos do Romanismo, uma vez que reúne no primeiro mandamento o conteúdo de Ex.20:3-5 e Dt.5:7-9, “ocultando”, então, a proibição do uso de imagens de escultura, algo que é praticado por aquele segmento da Cristandade.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

0 1º Trim. 2015 - Lição 3 - Não terás outros deuses




PORTAL ESCOLA DOMINICAL
PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015
OS DEZ MANDAMENTOS: valores divinos para uma sociedade em constante mudança
COMENTARISTA: ESEQUIAS SOARES DA SILVA
COMENTÁRIOS - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP
Escrito por  Caramuru Afonso Francisco 

HINOS SUGERIDOS: 124, 154, 273.

ESBOÇO Nº 3
LIÇÃO Nº 3 – NÃO TERÁS OUTROS DEUSES
                        O primeiro mandamento manda-nos dar exclusividade na adoração ao Senhor.
INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo dos dez mandamentos, analisaremos hoje o primeiro mandamento.
- O primeiro mandamento manda-nos dar exclusividade na adoração ao Senhor.
I – QUAL É O PRIMEIRO MANDAMENTO
- Após duas lições introdutórias, quando estudamos não só as circunstâncias em que foram dados os dez mandamentos, ou “dez palavras” (Decáologo) pelo Senhor a Israel, como também o próprio significado da “lei moral”, inclusive no alcance que se lhes deu o Senhor Jesus, passaremos a analisar um por um os mandamentos dados por Deus nas tábuas de pedra no monte Sinai.
- Antes, porém, de analisarmos os mandamentos, devemos aqui observar que, ao longo da história da Igreja, os mandamentos, tal como se encontram tanto em Ex.20, quando foram dados por Deus a Moisés, como em Dt.5, quando Moisés, em um de seus discursos de despedida os repete ao povo de Israel dalém do Jordão, no deserto, na planície defronte do Mar de Sufe, entre Parã e Tofel, e Labã, e Hazerote, e Di-Zaabe (Dt.1:1), foram como que “sintetizados” em relações que são chamadas de “fórmulas catequéticas”.
Agostinho, ao estudar os dez mandamentos, acabou por trazer uma enumeração diversa daquela que temos no texto sagrado, enumeração esta que é seguida pela Igreja Romana, que a denomina de “fórmula catequética”, por lhe ter sido muito conveniente, vez que “suprime” o mandamento de proibição de imagens de escultura, inserindo-o no primeiro mandamento, repartindo o décimo mandamento em dois.
OBS: Esta fórmula catequética tornou-se tão tradicional que até mesmo o missionário sueco Nils Kastberg (1876-1978) a adotou nas lições 6 e 7 das Lições Bíblicas do primeiro trimestre de 1938, como se pode verificar nas pp.642-47 do v.1 da Coleção Lições Bíblicas.


domingo, 11 de janeiro de 2015

3 Três perguntas aos meso e pós tribulacionistas





E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro. Apocalipse 7:14

Reconheço que o assunto “ESCATOLOGIA” é realmente um assunto polêmico e contraditório, e não conheço três ou quatro escatologistas que não tenham interpretações diferentes acerca de alguns assuntos da Bíblia, principalmente no quesito “Interpretação das Profecias”.

No entanto respeito o ponto de vista de cada um, afinal de contas somos livres para pensar e interpretar as coisas da maneira que melhor nos convém.

O assunto arrebatamento em si já é um assunto polêmico, se alguns não sabem. Pois existem vários escatologistas que nem sequer acreditam que Jesus virá para arrebatar a sua Igreja da terra; quando se fala então em quando o Senhor virá, se antes de iniciar na terra a grande tribulação (PRÉ-TRIBULACIONISMO), no meio da tribulação (MESO-TRIBULACIONISMO) ou no final da grande tribulação (PÓS-TRIBULACIONISMO) ai a coisa engrossa é as divergências ficam tão acirradas a ponto de alguns cristãos perderem a comunhão para defenderem pontos doutrinários, alguns deles até mesmo sem nenhum fundamento bíblico.

EU particularmente sou pré-tribulacionista e na minha humilde opinião e de mais dezenas de teólogos-apologistas (dentre eles cito o Pastor Antônio Gilberto, Ezequias Soares, Stanley Horton (de saudosa memória), Severino Pedro da Silva (de saudosa memoria) etc.) o ponto de vista mais bíblico, teológico e que se coaduna com a revelação bíblica como um todo é o pré-tribulacionista. Mas como já disse, não sou um ditador da fé de ninguém, afinal de contas cada um acredita naquilo que quiser, porém gostaria de fazer apenas três perguntas aos que não acreditam na interpretação pré-tribulacionista:

1.     Se o pré-tribulacionismo é errado então como explicar o capítulo nove de Daniel (As setenta semanas)?
a.    Sabemos que toda a interpretação do capítulo nove de Daniel, no que diz respeito às Setenta Semanas está ligada diretamente a Israel. A septuagésima semana, por exemplo, que é reconhecida mundialmente como a semana da “GRANDE TRIBULAÇÃO” (período de sete anos) será um evento que segundo o anjo Gabriel (Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e a sua santa cidade – Dn 9.24) ligado diretamente a Israel.
b.    Quem é o povo de Daniel? Reposta = Judeus.
c.    Qual é a cidade de Daniel? Jerusalém.
d.   Então se essa profecia das setenta semanas é um evento exclusivo de Deus com o seu povo (JUDEUS) e que se consumará durante esse período chamado de grande tribulação, o que a IGREJA (Noiva do Cordeiro) estará fazendo lá?

2.     Na segunda carta de Paulo aos Tessalonicenses 2.7-9 – O apóstolo Paulo respondendo as dúvidas deixadas pela segunda carta, ele diz:
a.    Porque já o mistério da injustiça opera
b.    Somente há “UM” que o retém, até que do meio seja tirado.
c.    Então será revelado o iníquo
d.   Eu lhes pergunto: Se o ponto inicial da grande tribulação é a manifestação do Anticristo (pois ele será o elemento chave da tribulação) e esse anticristo não se manifestará plenamente enquanto existir “UM” que o detém, como então haverá tribulação?
e.    Pode haver tribulação enquanto a Igreja e o Espírito Santo estiverem atuantes aqui na terra?
f.     Esse “UM” pode ser a Igreja (segundo interpretes) ou pode ser o Espírito Santo. Mas um ou outro após o arrebatamento da Igreja serão tirados da terra (pelo menos o raio de ação do Espírito Santo se voltará para Israel e não mais para o mundo pecador) dando assim espaço para a manifestação do homem do pecado. E se esse “UM” (O Espírito ou a Igreja) estiverem ainda aqui então como haverá a manifestação plena do Anticristo e consequentemente a grande tribulação?

3.     O Senhor Jesus disse: Lucas 17.34-36 – Que no dia do arrebatamento da Igreja uma proporção de 50% da Igreja sobe e uma proporção semelhante fica (será tomado um e deixado o outro), se esse arrebatamento somente acontecer após a grande tribulação como defendem alguns, então o que esses 50% da Igreja que fica farão aqui na terra após o arrebatamento, visto que o Anticristo já se foi e Grande Tribulação passou?

CONCLUSÃO - Queridos é apenas uma questão de pensar, ler a Bíblia como um todo, juntar textos e deixar que a Bíblia interprete a si mesma, e não ficar dando ouvidos a interpretações fantasiosas e absurdas.

Maranata! (ORA VEM SENHOR JESUS)

     João Augusto de Oliveira




sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

0 MISSÕES - Um grande desafio à Igreja do século XXI




MISSÕES – Povos não alcançados pelo Evangelho

O que é a Janela 10 por 40? É a região onde habita 66% da população mundial, e ocupa 33% da área total do planeta, compreendendo 62 países. Os dois maiores países do mundo, em número de habitantes, encontram-se nessa área: China e Índia. Os dois juntos representam cerca de 33% da população da terra. Esta região estende-se desde o oeste da África até ao leste da Ásia, e é comparada a uma janela retangular, estando entre 10 e 40 graus ao norte da linha do equador. Todas as terras bíblicas encontram-se nessa janela. O apóstolo Paulo ultrapassou esses limites nas suas viagens missionárias (Rm 15.19).

2. Características. É a área do mundo onde vive o maior número de povos não alcançados, predominando os seguidores do Islamismo, do Hinduísmo e do Budismo. O Islamismo está atingindo 1 bilhão de adeptos, o Hinduísmo, mais de 700 milhões. A Janela 10/40 é conhecida como o Cinturão de Resistência; nela se encontram as fortalezas de Satanás, pois 37 dos 50 países menos alcançados do mundo localizam-se nessa região. Nessa área, estão 82% dos mais pobres do planeta. Bilhões de pessoas são vítimas das enfermidades, misérias e calamidades.

3. Os indígenas brasileiros. Quando Pedro Álvares Cabral chegou ao Brasil, em 1500, havia entre 5 a 6 milhões deles, divididos em cerca de 900 grupos étnicos. Foram dizimados impiedosamente pelos colonizadores. Hoje, 500 anos depois, eles estão reduzidos a 250 mil e a 221 grupos, sendo 41 desses grupos com mais de 1.000 membros e 56 com menos de 100 indígenas falando cerca de 185 línguas diferentes (dados de 1991). Sua evangelização constitui-se num desafio para todos nós, por causa das pressões dos sociólogos incrédulos, da imprensa e da grande variedade de línguas que dificulta prover literatura em sua língua.
Há aproximadamente 13 mil povos não alcançados... os grupos intocados pelo evangelho vivendo em países com fortes limitações políticas.

Calcula-se que até hoje menos da metade da população mundial com as suas etnias e línguas tenham sido confrontadas com o evangelho. A outra parte, com sua maioria absoluta na Janela 10/40, representa uma grande multidão de cerca de 3,2 bilhões de pessoas que ainda são objetos dos empreendimentos missionários do povo de Deus.

Estima-se que cerca de 6.178 pessoas morram no mundo por hora. Isso significa que, diariamente, 148.272 seres humanos falecem. Ao término de um ano, conseqüentemente, as mortes ultrapassam 54 milhões (Dados de aproximadamente 04 anos atrás).

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

0 Santidade – requisito fundamental ao cristão do século XXI




Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo. 1 Pedro 1:16
SANTIDADE - Santidade é o principal atributo de Deus e uma qualidade a ser desenvolvida em seus seguidores. "Santidade" e o adjetivo "santo" aparecem muitas vezes na Bíblia. 
No Velho Testamento, a primeira palavra para santidade significa cortar ou separar. Fundamentalmente, santidade é um corte ou separação de algo impuro e consagração ao que é puro (http://www.vivos.com.br/313.htm).

Santidade não é uma alternativa de vida, mas é uma exigência de Deus aos seus servos (1º Pedro 1.16 – Sede santos, porque eu sou santo),

Santidade não é legalismo nem farisaísmo, mas é separação total de tudo aquilo que desagrada a Deus (Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; E não toqueis nada imundo, E eu vos receberei; E eu serei para vós Pai, E vós sereis para mim filhos e filhas, Diz o Senhor Todo-Poderoso." (2 Coríntios 6:14-18)

Santidade é indispensável à manutenção da vida espiritual sadia. Quando um cristão não se conserva santo ele peca contra o Espírito de Santidade (ESPÍRITO SANTO) e automaticamente adoece (Ou cuidais vós que em vão diz a Escritura: O Espírito que em nós habita tem ciúmes? Tiago 4:5)

Santidade é exigida se quisermos ter uma vida de milagres. Muitas pessoas não podem contemplar o semblante de Deus porque vivem uma vida de pecados e rebeldias. NO entanto, se queremos uma vida de milagres devemos nos conservar puros (Disse Josué também ao povo: Santificai-vos, porque amanhã fará o Senhor maravilhas no meio de vós. Josué 3:5)

Santidade é o único caminho que nos leva aos céus, para comtemplar a presença de Deus e viver assim diante dele para todo o sempre (Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; Hebreus 12:14)

A Igreja foi chamada para viver em santidade ( a santidade convém à tua casa, Senhor, para sempre. Salmos 93:5b)

Paz e santidade a todo o povo de Deus,

   João Augusto de Oliveira

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

0 O lado oculto do Facebook



Por Josiel Dias


As redes sociais têm desenvolvido um papel importantíssimo em relacionamento à distância. Quando eu digo à distância falo literalmente amigos, familiares que de fato estão distantes uns dos outros. Isso é legal e não há nada de errado nesse estreitamento entre as pessoas usando as redes sociais.  Mas não podemos ignorar os males que essas redes podem trazer as pessoas que muitas vezes a usam até de boa-fé.
Tenho encontrado amigos de infância, que hoje mantemos contato, trocamos ideias, rimos, felicitamos um ao outro e isso é bom, reconheço.
Facebook te entregando
Mas como toda ferramenta nessas redes também existe o lado oculto e má, onde pessoas vivem xeretando, vasculhando a vida alheia. Embora tenhamos centenas de “amigos” é bom ficar atento que, embora eles estejam relacionados como amigos, nem todos realmente o são.
Devemos ter cuidado com o que postamos, sei que as vezes nos dá vontade de contar tudo pra alguém, quem sabe por estarmos passando por alguma situação desagradável naquele momento. É sempre assim, quando vem os vendavais, na maioria das vezes, estamos “sozinhos” com o aparelho nas mãos e sem percebermos, desabafamos.
 Cuidado com o que se posta.
Assim como em nossa vida secular somos responsáveis por cada palavra que falamos, neste mundo interativo o que você posta também tem suas consequências. Cuidado com postagens, notícias, denúncias pela qual você não tem certeza do que está sendo informado nem tão pouco a fonte. As pessoas não têm noção disso, fala o que quer, comenta coisas íntimas, abrem o verbo via Facebook e esquecem que dezenas, centenas, quem sabe, milhares estão lendo e ouvindo seus lamentos.
Como falei, nem sempre aqueles que você agregou como amigo é de fato amigo, muitas vezes são inimigos ocultos a espera de uma novidade. Conheço história de pessoas arruinadas por desabafos comentários inapropriados para a rede.
 “Usa o Facebook como confessionário depois não quer pagar a penitência”
Isso mesmo que você acabou de ler acima, se você não quer que as pessoas se metam em seus relacionamentos, ou descorde de colocações mal postada por você, NÃO POSTE coisas íntimas, coisas que deverão ser resolvidas entre os mais chegados quem sabe cônjuges. O Facebook não é confessionário, cuidado com suas palavras. Esteja consciente que o que você posta vai ser respondido, criticado, censurado por alguém, depois não adianta se lamentar…
Perigo oculto do Facebook.
Tenho notado que muitas pessoas colocam informações de onde moram, telefones, onde estudam, o que vão comprar, se compraram um carro novo elas postam. Se ganharam um dinheiro de algum processo da justiça eles colocam. Quantas histórias de sequestro, roubo e até de morte, por que as pessoas, sem perceber, dão as pistas para que o inimigo oculto as ataquem. Outro dia, não só eu, mas creio que muitos “amigos” de uma pessoa deva ter lido, onde ela escreveu: “Graças a DEUS em fim ganhei essa causa que se arrastava na justiça, agora é só desfrutar da grana”
Imagina alguém assim tipo bandido lendo uma coisa dessa? Imagina esse “amigo oculto e do mal” indo ao perfil desse imaturo internauta e quando chega em seu perfil, lê: Endereço completo, telefone, nome dos filhos, onde estudam, hora que costumam buscá-lo na escola. Já imaginou?
Veja parte de uma matéria que foi divulgada pela a Revista Exame em 2010
Ladrões dizem usar redes sociais para escolher suas vítimas
São Paulo – Uma pesquisa realizada com 50 criminosos britânicos pela companhia de segurança More Than revelou que 12% deles usam redes sociais como Twitter e Facebook para procurar por vítimas em potencial. A justificativa é que nesses sites muitos usuários publicam seus endereços, além de detalhes completos de onde estão e para onde vão.
Conforme o levantamento, 68% dos criminosos, independentemente do meio, coletam informações sobre a rotina de suas vítimas antes de praticar um crime. “Usando o Facebook ou o Twitter para se gabar sobre uma grande noite ou sobre férias em Barbados pode impressionar amigos e colegas, mas é o suficiente para dar a ladrões experientes tudo o que eles precisam saber”, disse Pete Markey, um porta-voz da More Than, ao jornal The Telegraph.
“Antigamente você podia comprar informações de um carteiro ou de um entregador de leite sobre quem estava fora de casa nos feriados. Agora as pessoas estão online dizendo se estão indo ao aeroporto, se estão tomando café, sobre tudo”, explicou à mesma publicação Richard Taylor, um ex-criminoso que hoje é pastor. “Sempre digo que o Facebook diz que você tem 900 amigos, mas que não é verdade. Você tem um amigo e 899 pessoas que vagamente o conhecem”.
“Por favor, me roube”
No início deste ano, um grupo de holandeses criou um site para alertar as pessoas justamente sobre esse risco apontado pela pesquisa. O site Please Rob Me (“por favor, me roube”, em português) agregava todas as informações de pessoas que estavam fora de casa e que comunicavam isso no Foursquare. A ideia, segundo os responsáveis, não era efetivamente servir de fonte de informações para ladrões, mas conscientizar os internautas de que mensagens aparentemente inofensivas podem ser perigosas se divulgadas publicamente. O serviço atualmente está desativado.
Veja também essa matéria:  Cuidado!: ladrões utilizam redes sociais para monitorar suas vítimas
Cuidado !!!   Use o Facebook com moderação ou qualquer rede social. Lembre-se, nem todos são teus amigos. Dificulte o máximo dar informações sobre sua vida pessoal. Não se exponha muito, isso tem um preço, a não ser que você esteja disposto a pagar esse preço. Proteja quem você ama, não coloque endereço de colégio onde estudam seus filhos.
Fica a dica: Facebook tem seu lado oculto.

Pb Josiel Dias

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

0 1º Trim. 2015 - Lição 2 - O padrão da lei moral



PORTAL ESCOL,A DOMINICAL
PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015
OS DEZ MANDAMENTOS: valores divinos para uma sociedade em constante mudança
COMENTARISTA: ESEQUIAS SOARES DA SILVA
COMENTÁRIOS - EV. CARAMURU AFONSO FRANCISCO
ASSEMBLEIA DE DEUS - MINISTÉRIO DO BELÉM - SEDE - SÃO PAULO/SP

                                                                                                       

HINOS SUGERIDOS: 87, 205, 456.

ESBOÇO Nº 2
LIÇÃO Nº 2 – O PADRÃO DA LEI MORAL
                        Os preceitos morais da lei expressam o caráter divino que deve ser seguido pelo homem.
INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo dos dez mandamentos, veremos hoje um quadro panorâmico das “dez palavras”.
- Os preceitos morais da lei expressam o caráter divino que deve ser seguido pelo homem.
I – A UNIDADE DA LEI
- Na sequência do estudo dos dez mandamentos, após termos visto as circunstâncias em que a lei de Deus foi dada ao povo de Israel no monte Sinai, faremos um estudo panorâmico dos dez mandamentos, que serão analisados um a um nas próximas lições.
- Como dissemos ao término da lição anterior, a lei estabelece um padrão moral, que, por ter origem em Deus, é perene, imutável, como, aliás, afirma o próprio subtítulo deste trimestre que fala em “valores divinos para uma sociedade em constante mudança”.

- A fim de iniciarmos o estudo deste “padrão da lei moral”, torna-se absolutamente necessário lembrarmos que a lei de Deus que foi dada ao povo de Israel no monte Sinai é uma unidade, é um conjunto completo, tanto que Tiago, o irmão do Senhor, em sua epístola, bem explica que “…qualquer que guardar toda a lei e tropeçar em um só ponto tornou-se culpado de todos” (Tg.2:10). 


 

A voz da Palavra Profética Copyright © 2011 - |- Template created by Jogos de Pinguins