domingo, 30 de setembro de 2012

0 Nenhum espaço para o descuido



O texto seguinte foi copiado da Australian Beacon, março de 1987:

Não há nenhum espaço para descuido no laboratório de química. A água é composta de duas partes de hidrogênio e uma de oxigênio. Qualquer divergência nessa fórmula, por menor que seja, é proibida.

Não há nenhum espaço para descuido na musica. Um maestro habilidoso não permitirá que seu melhor violinista toque sequer meia nota fora de nota, de tecla ou corda.

Não há nenhum espaço para descuido na sala de aula de matemática. A geometria, o calculo e a trigonometria não permitem qualquer variação à exatidão, mesmo para fazer ajustes ou para dar um jeito. A solução do problema é então correta ou errada (não há tolerância).

Não há nenhum descuido no campo atlético. O jogo deve ser jogado segundo as regras, nenhum favor deve ser mostrado por "caridade".

Não há nenhum espaço para descuido na oficina mecânica. O mecânico diz que os anéis do pistão devem ajustar-se à parede do cilindro dentro de mil partes de uma polegada. Mesmo entre amigos não pode haver nenhuma variação "se o motor ira correr corretamente".

Como podemos esperar que o descuido esteja governando no domínio da cristandade e da moral?

Aquele que renuncia a verdade de Deus, renuncia o Deus da verdade.



sexta-feira, 28 de setembro de 2012

0 Profetas de Deus ou curadores superficiais?


E curam superficialmente as feridas da filha do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz (Jeremias 6.14)

Dia desses, um determinado irmão me perguntou por que eu escrevia tantas mensagens duras, de exortação, no meu blog; se eu me achava mais santo do que os outros.

Prontamente lhe respondi que não, não me acho mais santo do que ninguém, muito pelo contrário, pra mim eu sou o maior dos pecadores (remido pelo sangue de CRISTO) e o mais carente dos filhos de Deus. Mas como “ARAUTO DO REINO DE DEUS”, tenho que falar daquilo que ele coloca no meu coração, sob pena de ser “reprovado por ele na sua vinda e no seu Reino”. Mesmo que por várias vezes, as reflexões e mensagens que ele me dá, falam mais comigo mesmo do que com os meus leitores e ouvintes.

Não podemos usar as nossas fragilidades e fraquezas como desculpa para “curar superficialmente” as feridas do povo de Deus, como aconteceu nos tempos do profeta Jeremias. Não podemos simplesmente maquiar as nossas mazelas e pecados e tentar nos convencer e convencer o povo de Deus, que Ele nos abençoará mesmo sem deixarmos os nossos pecados de lado.

Curar superficialmente as feridas da Igreja – é quando se sabe que o povo precisa de uma palavra de correção e repreensão, mas mesmo assim, por medo ou covardia não falamos e preferimos falar de bênçãos e prosperidade;

Curar superficialmente as feridas da Igreja – é perceber que a Igreja está recuando na sua missão de “EVANGELIZAR OS POVOS” e de engajar-se na “OBRA MISSIONÁRIA”, mas mesmo assim usar o púlpito, para pregar que todas as bênçãos dos céus nos alcançarão incondicionalmente;

Curar superficialmente as feridas da Igreja – é ver a Igreja de Cristo (principalmente a sua liderança) envolvida com política partidária, vendendo os fiéis a quem dá mais, e mesmo assim não ter a coragem de usar o púlpito, a televisão, o rádio, a internet, etc. para alertar que Deus está triste e aborrecido com essa situação, e que se ela perdurar, por certo Deus há de tomar providências;

Curar superficialmente as feridas da Igreja – é saber que a juventude anda se prostituindo e que casais de namorados agem como se já fossem marido e mulher; mesmo assim não levantar a voz de protesto contra a impureza e a imundícia que rondas os nossos arraiais;

Curar superficialmente as feridas da Igreja – é ver o adultério grassando os casais da Igreja e até mesmo obreiros e pastores se envolvendo nessa praga diabólica e não chorar diante de Deus e entregar ao povo “TUDO AQUILO QUE ELE LHE DÁ DURANTE A ORAÇÃO”;

Pois que de perdoem os críticos, mas enquanto Deus me der fôlego de vida e força física, irei continuar “PROTESTANDO”, quer seja no púlpito, através desse Blog ou que qualquer outro meio de comunicação do qual dispuser, nem que grande parte dos meus protestos sejam uados para corrigir a mim mesmo.

Prefiro ser corrigido pelas próprias mensagens que o Senhor me dá, do que alisar e bajular o povo, dizendo Paz, paz; e ser REPROVADO PELO DONO DA OBRA, quando ele me pedir conta dos talentos que me deu.

Paz e bom final de semana a todos!

       João Augusto de Oliveira




quinta-feira, 27 de setembro de 2012

0 Dez Perguntas Sobre a Questão do Sábado


Natanael Rinaldi

 1 – Como é mesmo essa questão de orações e jejuns serem “cerimônias”? Poderia explicar melhor esse raciocínio?
RESPOSTA: Eram rituais de culto. Jesus em seus ensinos criticou que os fariseus usavam orações, jejuns e esmolas para ostentar soberba religiosa. Mateus 6:5 “E, quando orares, não sejas como os hipócritas; pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.” Mateus 6:16 “E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram os seus rostos, para que aos homens pareça que jejuam. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.” Jesus condenou o exibicionismo religioso, sem valor diante de Deus.

2 – Afinal, em que sentido Cristo disse que “o sábado foi feito por causa do homem” (Mar. 2:27)? À luz do termo na língua original para homem (anthropós) esse “homem” seria somente o judeu, ou o homem universal?
RESPOSTA: O sentido declarado por Jesus é contrário ao que ensinam os adventistas. Jesus não disse que o o sábado era dia do Senhor, mas que ele era o Senhor do sábado, com isso, explicando que ele podia declarar quando ocorrera ou não a quebra do sábado.E por que? Por que seus discípulos foram acusados de violar o sábado ao colherem espigas nesse dia. Marcos 2:23-28 “E aconteceu que, passando ele num sábado pelas searas, os seus discípulos, caminhando, começaram a colher espigas. 24 – E os fariseus lhe disseram: Vês? Por que fazem no sábado o que não é lícito? 25 – Mas ele disse-lhes: Nunca lestes o que fez Davi, quando estava em necessidade e teve fome, ele e os que com ele estavam? 26 – Como entrou na casa de Deus, no tempo de Abiatar, sumo sacerdote, e comeu os pães da proposição, dos quais não era lícito comer senão aos sacerdotes, dando também aos que com ele estavam? 27 – E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado. 28 – Assim o Filho do homem até do sábado é Senhor.”
Na passagem paralela em Mateus 12:5-8 lemos -“ Ou não tendes lido na lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo violam o sábado, e ficam sem culpa? 6 – Pois eu vos digo que está aqui quem é maior do que o templo. 7 – Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes. 8 – Porque o Filho do homem até do sábado é Senhor.”
O qual foi o veredito de Jesus no caso, como Senhor do sábado diante da acusação dos fariseus de que os discípulos de Jesus estavam violando a guarda do sábado? Declarou seus discípulos inocentes da acusação.” Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes.” Sim, inocentes da acusação de violarem o sábado colhendo espigas no dia de sábado. Como Senhor do sábado como considera Jesus os que trabalham no sábado? Inocentes!. E não esqueçamos que ele é maior do que o sábado.
3 – Se Cristo quis ensinar haver “graus de violabilidade do sábado”, porque isso depois não se refletiu na atitude das santas mulheres que O serviam e nem passou pela mente de Lucas ao relatar o episódio da observância do sábado por elas 30 anos depois (Luc. 23:56)?
RESPOSTA: Não vejo qualquer problema no registro de Lucas considerando que não foi só com relação ao sábado que Lucas registro o feito das mulheres..Em Lucas 2:6-24 lemos preceitos cerimoniais cumpridos por Jesus: – “E aconteceu que, estando eles ali, se cumpriram os dias em que ela havia de dar à luz. 7 – E deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem. 21 – E, quando os oito dias foram cumpridos, para circuncidar o menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido.22 – E, cumprindo-se os dias da purificação dela, segundo a lei de Moisés, o levaram a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor 23 – (Segundo o que está escrito na lei do Senhor: Todo o macho primogênito será consagrado ao Senhor); 24 – E para darem a oferta segundo o disposto na lei do SENHOR: Um par de rolas ou dois pombinhos. Tudo isso Lucas registrou cerca de 30 anos depois e não vejo porque os adventistas não são coerentes e os observam. Como vemos Lucas faz citação de vários preceitos da lei de Moisés. Por exemplo: Levítico 12.1-8 Circuncisão de Jesus e sacrifícios etc.

4 – Se houvesse tais níveis de violabilidade do sábado, onde eles estão definidos claramente?
RESPOSTA: Porventura os adventistas se lembram de circuncidar seus filhos seguindo o exemplo de Jesus? E mais ainda: lemos em Lucas 2:39-41 – “E, quando acabaram de cumprir tudo segundo a lei do Senhor, voltaram à Galiléia, para a sua cidade de Nazaré.40 – E o menino crescia, e se fortalecia em espírito, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele.41 – Ora, todos os anos iam seus pais a Jerusalém à festa da páscoa;”

5 – Para quem valeriam tais regras de graus de violabilidade do sábado, só para os discípulos? Por que Ele não transmitiu tais ensinos para as multidões (pois foram bem poucos os que ficaram sabendo dessas novas regras legais)?. . .
RESPOSTA: Se não existem graus de violabilidade do sábado, por que será que os adventistas dividiram a lei de Deus, também chamada Lei de Moisés, com 613 mandamentos, ensinando que os 10 mandamentos constituem a LEI MORAL e os 603 mandamentos restantes a LEI CERIMONIAL e abolidas? Perguntamos: por que Jesus considerou os dois grandes mandamentos maiores que os demais e não mencionou o sábado como tal? Por que ensinam, baseados na autoridade de Ellen Gould White, que “ “A guarda do sábado implica em salvação eterna”, quando, o apóstolo Paulo declarou que temia pela salvação dos que observavam dias para sua salvação como lemos em Gálatas 4:9-11 “Mas agora, conhecendo a Deus, ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir? 10 – Guardais dias (sábados) , e meses (luas novas mensais), e tempos, e anos.(dias de festa anuais) 11 – Receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco.”Tais preceitos rituais foram abolidos e não constituem obrigações para o cristão, a não ser para judaizantes.

6 – Se havia essas regras de grau de violabilidade do sábado, por que Jesus recomendou ao povo para acatar tudo quanto os seus chefes religiosos ensinavam, que estivesse em harmonia com a lei divina, mas não praticando a religião da maneira hipócrita deles (ver Mateus 23:1-3)? Ora, eles não ensinavam nada de graus de violabilidade do sábado (ver Lucas 13:14)!
 RESPOSTA: Se não havia graus de violabilidade do sábado, por que então os sacerdotes podiam violar o sábado no templo e ficar sem culpa? Podiam matar e ficar sem culpa? Podiam adulterar e ficar sem culpa? Podiam cobiçar a mulher do próximo e ficar sem culpa? Finalmente, nove mandamentos do decálogo tinham grau de inviolabilidade. Eram considerados preceitos morais e constituíam crime e pecado praticá-los em qualquer lugar, inclusive no templos.
Entretanto, podiam violar o sábado no templo e ficar sem culpa.E não esqueça que Jesus é era o Senhor do sábado e podia declarar o grau de culpabilidade da transgressão de um preceito. Não o fez acerca do sábado, e ainda declarou inocente os seus discípulos por violá-lo.
7 – Ademais, para que Ele iria estabelecer “graus de violabilidade” para um mandamento que seria abolido tão cedo, segundo os semi-antinomistas radicais como Rinaldi?
RESPOSTA: Parabenizo-o pelo reconhecimento de que realmente o sábado foi abolido na cruz e não estou sem base bíblica Gálatas 4:8-11 “ Mas, quando não conhecíeis a Deus, servíeis aos que por natureza não são deuses. 9 – Mas agora, conhecendo a Deus, ou, antes, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir? 13 – E vós sabeis que primeiro vos anunciei o evangelho estando em fraqueza da carne; 10 – Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. 11 – Receio de vós, que não haja trabalhado em vão para convosco.”

8 – E o que significa que Deus “santificou” o sábado no Éden (Gên. 2:2, 3)? Sendo que “santificar” significa “separar para uso sagrado”, e Deus já é inteiramente santo, para quem Ele santificou [separou] o sétimo dia?
RESPOSTA: Acertou quando afirma que a palavra ‘santificar’ significa separar para uso sagrado, tratando-se de apenas um preceito cerimonial, assim como a circuncisão. Tinha caráter cerimonial. E diz-se dela o mesmo que Paulo declarou acerca do sábado, como um preceito ritual ou cerimonial em Gálatas 4.8-11 com a declaração final de “Receio de que não haja tgabalhado em vão para convosco.”

9 – E se o sábado é “cerimonial” por que Deus não deixou para ditá-lo a Moisés depois, junto com as demais regras cerimoniais, mas proferiu o mandamento solenemente aos ouvidos do povo junto com todos os demais preceitos morais e “nada acrescentou” (Deu. 5:22)?
RESPOSTA: Houve omissão na sua declaração de Deuteronômio 5.22. Os primeiros versículos do texto declaram: Deuteronômio 5:1- – “E CHAMOU Moisés a todo o Israel, e disse-lhes: Ouve, ó Israel, os estatutos e juízos que hoje vos falo aos ouvidos; e aprendê-los-eis, e guardá-los-eis, para os cumprir.2 – O SENHOR nosso Deus fez conosco aliança em Horebe.3 Não com nossos pais fez o SENHOR esta aliança, mas conosco, todos os que hoje aqui estamos vivos.”
Não existe lei dos 10 mandamentos como pretende o desafiante. Existe apenas uma lei, conhecida como lei do Senhor; Lei de Deus, Lei de Moisés e não duas leis como erroneamente divulgam os adventistas.LEI MORAL E LEI CERIMONIAL. E quanto à guarda do sábado, Jesus, declarou cerimonial e abolido. Podia ser violado dentro do templo sem culpa e me aponte outro qualquer preceito moral que dele se dissesse o que Jesus declarou do sábado em Mateus 12:5-8 -“ Ou não tendes lido na lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo violam o sábado, e ficam sem culpa? 6 – Pois eu vos digo que está aqui quem é maior do que o templo. 7 – Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes. 8 – Porque o Filho do homem até do sábado é Senhor.” De algum outro preceito do decálogo foi dito o que foi dito do sábado?

10 – Onde está escrito que na passagem da Velha para a Nova Aliança um novo “dia do Senhor”, seria estabelecido, o domingo, a ser observado sem mais graus de violabilidade definidos, mas tudo vago quanto ao que fazer ou não nesse dia?
RESPOSTA: Francamente, amigo Azenilto. Você é professor e me faz pergunta desse teor? É só ler Hebreus 8:6-9 “Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas. 7 – Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda. 8 – Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, Em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei uma nova aliança, 9 – Não segundo a aliança que fiz com seus pais No dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; Como não permaneceram naquela minha aliança, Eu para eles não atentei, diz o Senhor.
Pergunto: ” O que significa a expressão “Não segundo a aliança que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egigo”??? Obviamente, aponta que não seria igual.




segunda-feira, 24 de setembro de 2012

1 Política e Igreja – Ai dos que promovem escândalo!



Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é inevitável que venham escândalos, mas ai do homem pelo qual vem o escândalo (Mateus 18.7).

Hoje eu estava lendo uma matéria que muito me entristeceu na “revista VEJA” da semana; a matéria é sobre a influência política na Igreja Evangélica Brasileira.

Realmente a união espúria entre Evangelho e Política em nossa nação está passando dos limites e causando grandes feridas, divisões e escândalos no meio do povo cristão.

Já é comum durante os cultos pastores falarem acerca do apoio a esse ou aquele candidato, e as vezes tomam até mesmo o tempo da palavra de Deus para falar sobre política.

Não sou quadrado nem antiquado, realmente acredito que cada cristão, como cidadão brasileiro deve exercer o direito ao voto e escolher os seus representantes, mas o que está acontecendo é vergonhoso, sujo, podre e vil. Até mesmo um Bispo Católico está falando contra essa união vil que está acontecendo entre política e religião, na igreja evangélica brasileira.

Será que não percebemos que não é função da Igreja fazer campanha política e sim pregar o Evangelho, ser luz do mundo e sal da terra? Estamos escandalizando o santo nome de Jesus e envergonhando aqueles que pagaram um preço tão alto para que hoje estivéssemos aqui.

Já tem pastor sendo afastado do ministério porque não apoia o candidato da Igreja. ISSO É UMA VERGONHA! Vamos acordar pra realidade. O mundo está perdido no pecado e os próprios crentes estão vivendo (muitos) uma vida de mentira e engano, enquanto que pastores fazem associações com partidos e vendem suas Igrejas!

Qual será o fim de tudo isso? Ouçam seus corruptores da Obra de Deus, as palavras de Jesus: Ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é inevitável que venham escândalos, mas ai do homem pelo qual vem o escândalo.

Não peço desculpas pelas palavras duras que falei, pois somente se desculpa quem erra. E estou certo que ainda que com dureza, mas escrevi aquilo que o Espírito de Deus derramou na minha alma.

Que Deus nos guarde das ciladas de Satanás!

João Augusto de Oliveira


domingo, 23 de setembro de 2012

0 Na Coreia do Norte, milhares de cristãos são postos em campos de concentração



Enquanto o governo da Coreia do Norte se recusa a reconhecer a existência de presos políticos, milhares de cristãos e outros prisioneiros de consciência permanecem trancados em grandes campos de concentração que lembram o holocausto nazista

Visto facilmente através de imagens de satélite, mas fortemente negado pelo governo, os campos de concentração norte-coreanos carregam o horror das prisões e torturas da época do Holocausto. Um livro, lançado no início desse mês, traça o perfil de Shin Dong-Hyuk, único homem que conseguiu escapar de um campo classificado como "zona de controle total". Depois de passar algumas semanas na lista dos mais vendidos, Escape from Camp 14 (Escapei do Campo 14, tradução livre) chamou a atenção internacional para a Coreia do Norte.

O país, frequentemente, enfrenta críticas de organizações de direitos humanos. A Portas Abertas EUA destaca a terrível situação em que vivem os crentes da Coreia do Norte: a isolada nação asiática ocupa a posição número um na Classificação de Países por Perseguição de 2012; de uma compilação de 50 países onde os crentes enfrentam mais perseguição religiosa. Estima-se um número entre quarenta e setenta mil cristãos que sofrem em campos de zona de controle total, onde as pessoas rotuladas como "pensadores errados" são enviadas para morrer.

Shin Dong-hyuk nasceu neste mesmo tipo de campo, em 1982. Em seu livro, ele admite que denunciou sua mãe e irmão aos guardas da prisão porque eles planejaram fugir sem ele. Como resultado, eles foram pendurados na frente de Shin e outros prisioneiros; ele próprio também foi torturado, como punição por seu "crime".

Shin disse ao jornalista americano Blaine Harden, autor de Escape from Camp 14, que ele “queria que as pessoas soubessem qual é o tipo de criança que vive nesses campos: extremamente leal aos guardas; que faria qualquer coisa para conseguir mais alimentos".

As condições nos campos de prisioneiros norte-coreanos são semelhantes aos campos sob o inesquecível regime de Hitler, Stalin e Mao. "Prisioneiros políticos" trabalham, essencialmente, até a morte; enquanto são submetidos a torturas físicas e psicológicas graves. A Portas Abertas revelou que a carga horária básica de trabalho são 18-20 horas por dia, com pouca ou nenhuma comida. Para complementar a ração que recebem para comer, os presos consumem qualquer coisa comestível, incluindo cobras, ratos, insetos, raízes e ervas.

Em abril, a Comissão Norte-Americana para os Direitos Humanos na Coreia do Norte lançou um relatório baseado em entrevistas com 60 ex-prisioneiros e guardas. O relatório de duzentas páginas descreve prisões localizadas principalmente nas regiões montanhosas do norte, rodeadas por arame farpado e cercas elétricas – cercas que Shin escalou na esperança de escapar, usando o corpo de seu melhor amigo como isolamento contra a corrente mortal.

Em 2009, a Coreia do Norte declarou ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas: "O termo ’preso político' não existe no vocabulário da DPRK (sigla em inglês que, traduzida, quer dizer República Democrática Popular da Coreia); acampamentos dos prisioneiros chamados ‘políticos’ não existem”. De acordo com o relatório de abril, ex-prisioneiros foram capazes de identificar seus locais de trabalho, áreas de execução e outros marcos usando imagens de satélite disponíveis no Google Earth.

Greg Scarlatoiu, diretor executivo do Comitê para os Direitos Humanos na Coreia do Norte, disse que, enquanto a Coreia do Norte tenta esconder as realidades terríveis de Pyongyang, mais de trinta mil desertores norte-coreanos fugiram do país.

Ore em favor dos crentes presos na Coreia do Norte. Peça a Deus para sustentá-los e para que eles possam ser libertos. Clame por mudanças que só podem ser trazidas através do Evangelho.
FonteMission Network News
TraduçãoAna Luíza Vastag



quinta-feira, 20 de setembro de 2012

0 PECADO

 
 
 

Já percebeu como é normal hoje em dia às pessoas maquiarem o pecado e dar-lhe outros significados, tentando fugir de sua realidade e de seus efeitos danosos?

Tenho ouvido ultimamente tantos eufemismos para maquiar o pecado, que até parece que o pecado “deixou de ser pecado” e tornou-se simplesmente algo ruim e errado.

Mas, por mais que tentemos nos enganar, pecado é pecado e sempre continuará a ser pecado até a consumação dos séculos, quando finalmente o pecado, seu protagonista (O Diabo) e os eternos praticantes (demônios e humanos rebeldes) serão encerrados no eterno Lago de Fogo e enxofre.

 

Fornicação é pecado – Quer gostem ou não, a fornicação (prática sexual entre pessoas não casadas) é pecado! Não adianta alguns pregadores falsos, alguns pastores de meia tigela e alguns imundos de plantão dizer que a fornicação não é pecado, pois é, e pode levar o homem à condenação eterna.

 

Adultério é pecado – Aos adúlteros digo não eu, mas a palavra de Deus (“... aos adúlteros, Deus os julgará”. Hebreus 13.4). Não pensem que Deus é cego ou que ele simplesmente vai fazer de conta que não está vendo. A você que gosta daquela saidinha esperta pra trair sua esposa, cuidado, Deus está de olho em você e no tempo certo terá que pagar pelo seu pecado.

 

Divórcio sem apoio bíblico é pecado – Em primeiro lugar a Bíblia diz que Deus “odeia o divórcio” (Malaquias 2.16), e que o permitiu apenas em casos extremos, como traição (Mateus 5.32) e viuvez (Romanos 7.3). Fora esses casos é pecado. Não adianta os teólogos e interpretes esbravejar e vociferar contra a palavra de Deus; pois a Bíblia é bem clara no seu texto e contexto geral. Porém essa moda maldita de “divórcio” tem se espalhado no meio da Igreja como uma onda maldita e tem atingido até mesmo líderes e pastores de renome. Que Deus nos guarde desse mal!

 

Falta de santidade é pecado – O que é a santidade senão a ausência do pecado na nossa vida? Pois bem, quando não há santidade o pecado superabunda e somos solapados por toda a sorte de malefícios e consequências espirituais e materiais. Claro que como humanos, não podemos ser 100% santos, mas devemos na medida do possível procurar levar uma vida de pureza e submissão à vontade de Deus, o que consequentemente nos levará a uma vida de santidade.

 

Omissão é pecado – Ser omisso é poder fazer algo e deixar de fazê-lo, seja por preguiça ou qualquer outra razão. Quando podemos evangelizar e não o fazemos, estamos sendo omissos; quando podemos nos levantar contra as injustiças e não o fazemos, estamos sendo omissos. Tiago é bem claro quando diz: “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado”. Tiago 4:17

 

Não se engane, pois o pecado é mal e danoso a nossa vida; ele tem o poder de nos fazer sofrer nessa vida e por fim nos levar a condenação eterna. Não pense que Deus é tão bonzinho a ponto de ignorar os seus pecados e abençoa-lo incondicionalmente. Pois a Bíblia diz que o “salario do pecado é a morte” (Romanos 6.23ª). Se continuarmos a viver uma vida de pecados habituais, mesmo depois de sermos salvos por Jesus, então corremos um grande risco de ter a nossa alma lançada no ‘LAGO QUE ARDE COM FOGO E ENXOFRE, QUE É A SEGUNDA MORTE (Apocalipse 21.8).

 

E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. 1 Tessalonicenses 5:23

 

João Augusto de Oliveira

 


quarta-feira, 19 de setembro de 2012

0 A Esposa de Jesus?!



Por Augustus Nicodemus Lopes

Vejam esta notícia no Estadão sobre a descoberta de fragmento onde Jesus diz, "minha esposa...":
ROS KRASNY - Reuters

Um fragmento de um antigo papiro escrito no antigo idioma copta, e até agora desconhecido, contém frases que sugerem que Jesus tenha sido casado, numa descoberta que deve alimentar o acalorado debate sobre esse tema no mundo cristão.

A existência do fragmento do século 4o, não muito maior do que um cartão de visitas, foi revelada na terça-feira numa conferência proferida em Roma por Karen King, professora da Escola de Divindade de Harvard, de Cambridge (Massachusetts).

Nesse pedaço, leem-se as palavras: "Jesus disse a eles: minha esposa...".
 

"A tradição cristã por muito tempo manteve que Jesus não foi casado, embora nenhuma evidência histórica confiável exista para amparar essa afirmação", disse King em nota divulgada por Harvard.

"Esse novo Evangelho não prova que Jesus foi casado, mas nos diz que toda a questão só apareceu como parte dos inflamados debates sobre sexualidade e casamento."

Apesar da posição oficial da Igreja Católica de que Jesus nunca se casou, o tema reaparece regularmente - especialmente em 2003, quando da publicação do best-seller "O Código da Vinci", que irritou muitos cristãos por se basear na ideia de que Jesus se casou e teve filhos com Maria Madalena.

King disse que o fragmento, apresentado no Décimo Congresso Internacional de Estudos Coptas, representa o primeiro indício de que alguns protocristãos acreditavam que Jesus havia sido casado.

Roger Bagnall, diretor do Instituto para o Estudo do Mundo Antigo, em Nova York, disse acreditar que o fragmento, chamado por King de "O Evangelho da Esposa de Jesus", seja autêntico.

Mas especialistas ainda irão analisar melhor o fragmento e submetê-lo a testes, com especial atenção para a composição química da tinta.

O fragmento, esfarrapado e amarelado, pertence a um colecionador privado anônimo, que contatou King para que o ajudasse a analisar e traduzir o material, que teria sido descoberto no Egito ou talvez na Síria.

King disse que só por volta do ano 200 a afirmação de que Jesus era solteiro começou a aparecer, por intermédio de um teólogo conhecido como Clemente de Alexandria.

"Esse fragmento sugere que outros cristãos desse período estavam dizendo que ele foi casado", afirmou ela, ressaltando que o papiro não comprova a existência de uma esposa de Jesus.

"A tradição cristã preservou apenas aquelas vozes que diziam que Jesus nunca se casou. O ‘Evangelho da Esposa de Jesus' agora mostra que alguns cristãos pensavam o contrário."

A análise de King deve ser publicada em janeiro de 2013 pela Harvard Theological Review. Ela já divulgou um esboço do trabalho (em inglês) e imagens do fragmento no site da Escola de Divindade de Harvard: http://www.hds.harvard.edu/faculty-research/research-projects/the-gospel-of-jesuss-wife 

Fonte: Estadão

Já no séc. II apareceram evangelhos apócrifos com histórias fantasiosas sobre Jesus, boa parte deles produzidos por gnósticos e seitas como os Cainitas. A igreja cristã os rejeitou exatamente porque eram recheados destas histórias absurdas. Qual, então, o valor real de um fragmento de 9 linhas supostamente do séc. II sugerindo que Jesus tinha uma esposa, se comparado com os 5 mil manuscritos do Novo Testamento, datados do séc. II em diante, e que omitem qualquer referência ao fato? Mais um exemplo de notícia sensacionalista tipo Código da Vinci.
 

Aproveito para indicar o excelente artigo de Reinaldo Azevedo sobre este tema.

Fonte: O Tempora! O Mores! 
.



terça-feira, 18 de setembro de 2012

3 Reflexão - Andando na esteira, mas sem chegar a lugar nenhum





     Uma das coisas que gosto bastante é de fazer exercícios físicos regularmente para manter o corpo e mente saudável. Dentre esses exercícios destaco a esteira e a bicicleta ergométrica, mas também gosto de andar de bicicleta comum e correr. A prática de uma atividade física evita o sedentarismo, problemas de hipertensão, diabetes e várias outras complicações modernas.

     Mas dia desses eu estava andando na esteira quando de repente notei que por mais que eu andasse ou corresse nela, eu não chegava a lugar nenhum; nisso eu aumentei o ritmo e corri até ficar exausto, mas qual, sem sucesso, pois eu permanecia no mesmo local. Ao meditar nisso cheguei a uma conclusão: tem muita gente andando eternamente na “esteira da vida” sem chegar a lugar nenhum!

     É engraçado eu sei; mas pense comigo em quantas pessoas fazem planos e mais planos de vida e a cada ano são tomadas de uma nova esperança, mas de repente chega ao fim do ano e elas estão lá “no mesmo local”, andando e andando e não chegando a lugar nenhum.

Foi ai que cheguei a uma conclusão, a que é necessário descer da esteira e pôr os pés no chão para se chegar a algum lugar, pois enquanto eu estiver acomodado na esteira da vida, jamais chegarei a nenhum lugar. E você também já se sentiu assim?

     Essa esteira pode representar o nosso comodismo e o nosso sedentarismo pessoal e espiritual. Falamos tanto, mas fazemos tão pouco; somos rápidos para dar opiniões, mas tardios para realizar aquilo que achamos correto.

     Quantas pessoas no trabalho, em casa e na Igreja você já presenciou que falam, falam e falam, mas que não fazem nada e permanecem eternamente na “esteira da vida”? Falamos que precisamos de um emprego melhor, mas nunca decidimos estudar e fazer cursos para que esse emprego se torne realidade; falamos que precisamos fazer uma faculdade, mas nunca prestamos o vestibular; reconhecemos que o nosso casamento não está bem, mas nunca damos um passo para melhorar nossa relação; reconhecemos que não estamos bem na presença de Deus, mas nunca dizemos “chega” ao pecado e abraçamos a causa de Cristo.

     Isso é a nossa eterna “esteira” que teimamos em andar e dizer para nós mesmos que está tudo bem. Vamos combinar algo? Vamos quebrar essa esteira que nos impede, descer ao chão e chegar onde nós planejamos? Falo da esteira simbólica, não da literal! Não vá chegar amanhã na academia e quebrar a esteira de lá rssss!

     João Augusto de Oliveira



segunda-feira, 17 de setembro de 2012

0 Como ser um pregador (Pastor) bem sucedido?

 
 

Há uma bela receita nos dias hodiernos para ser um pastor de Igreja ou um pregador do evangelho bem sucedido, pelo menos diante dos homens.
1.      Nunca pregue sobre o calvário – Afinal de contas, Jesus morreu há quase dois mil anos, esse tipo de pregação é ultrapassada;
 
2.      Jamais fale sobre o pecado – O povo não gosta de ser recriminado, falar em pecado agride a integridade das pessoas; quem age assim será um profeta visto com maus olhos pela maioria;
 
 
3.      Use jargões e frases de efeito dos “animadores de auditório” – Isso geralmente funciona. A Igreja gosta quando você usa frases de efeito e jargões, tais como: “O Brasil é do Senhor Jesus”; “Eu determino a minha vitória”; “Tem sapato de fogo”; "essa é uma geração de apaixonados”; “libere uma palavra rhema”; "profetize para você mesmo”; etc.
 
4.      Use técnicas de oratória – Fale para a igreja ficar de pé constantemente, dizer palavras um para o outro, olhar nos olhos, etc. Isso anima a Igreja (“).
 
5.      Pregue mensagens rápidas – O povo não gosta muito de mensagens demoradas, como por exemplo, de trinta, quarenta minutos ou até uma hora. Afinal de contas vivemos em um mundo corrido, onde tempo é precioso; então se habitue a pregar resumos de mensagens de dez ou no máximo quinze minutos.
Fazendo tudo isso por certo você será o pregador das massas e agradará muitos, será bem sucedido e bem recebido em diversos locais por onde passar e chegar.
Porém isso não garante que você agradará ao Senhor da Igreja “JESUS”, isso não garante que Deus dará testemunho de você assim com deu de Jó diante de Satanás (E disse o SENHOR a Satanás: Observaste tu a meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal? – Jó 1.8).
Pelo contrário, enquanto você se preocupa em agradar as massas e garantir a sua oferta gorda, desagradará ao SENHOR e atrairá a maldição e a ira de Deus sobre a sua vida, e pasmem, mas é o que muitos pregadores e pastores estão fazendo ultimamente. Parece que a síndrome de agradar aos homens tomou conta dos arraiais cristãos de forma que são poucos os que ainda se preocupam em agradar a Deus.
Mas pra você profeta de Deus que não se curva diante do altar de Samaria eu lhe digo: Vai nesta tua força, pois o Senhor teu Deus é contigo. Você pode até não ter um assento entre os “grandes”, mas por certo o teu lugar está garantido na galeria dos fiéis nos céus.
Vale aqui a palavra de certo pregador: Se agradamos a Deus; não importa a quem desagradamos!
João Augusto de Oliveira
 
 
 


domingo, 16 de setembro de 2012

0 O Efeito do Liberalismo Teológico nas igrejas evangélicas



John F. MacArthur Jr, conhecido ministro evangélico norte-americano, autor prolífico e conferencista bastante solicitado, num livro publicado no ano passado[1], ao discorrer acerca dos efeitos do liberalismo teológico em denominações evangélicas nos Estados Unidos, escreve:

Que lição a História nos ensina a respeito de movimentos desse tipo? Surpreendi-me ao ver a inconfundível resposta definida recentemente num editorial do jornal Los Angeles Times: O cristianismo liberal, abraçado pela liderança de todas as principais denominações protestantes, bem como por grandes segmentos do catolicismo norte-americano, tem sido alardeado pelos seus promotores, durante 40 anos, como o futuro da igreja cristã. Em vez disso, como todos agora admitem, exceto alguns fanáticos, todas as principais igrejas e movimentos dentro das igrejas, que tinham obscurecido a doutrina e abrandaram os preceitos morais, estão em declínio demográfico e, no caso da Igreja Episcopal, em desintegração.
[2]
O artigo relatou como, durante reuniões denominacionais no verão de 2006, os episcopais se recusaram a acolher um pedido da Comunhão Anglicana Mundial no sentido de se arrependerem da sua decisão de nomear, como bispo, um homossexual praticante e assumido. Recusando-se a reconsiderar aquela decisão, os episcopais também elegeram como sua episcopisa-presidente uma mulher que abençoou explicitamente algumas uniões-civis entre pessoas do mesmo sexo, adotou a agenda teológica mais radicalmente feminista e dirigiu orações públicas nas quais se referiu a Cristo como “nossa Mãe Jesus”.[3]
Quase naquela mesma semana, a Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos da América (PCUSA) aprovou designações alternativas para as pessoas da Trindade — deixando de lado os termos Pai, Filho e Espírito Santo e preferindo a “Mãe, Criança e Ventre” ou “Rocha, Redentor e Amigo”.[4]
Essas denominações — e todas as outras que já abraçaram o modernismo (ou o liberalismo teológico) — estão declinando até ao ponto de total irrelevância. Hoje, o número de episcopais nos Estados Unidos é cerca de metade do que havia há menos de cinqüenta anos. Em 1965, havia 3,4 milhões de episcopais; hoje, há 2,3 milhões.[5] Essa denominação está numa trajetória de perder (de modo apropriado) todos os seus membros e declarar falência antes do fim da década. Já está bem na hora de isso acontecer. Exatamente uma semana antes de votar em favor de mudar o nome da Trindade, a assembléia geral da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos da América (PCUSA) anunciou a demissão de setenta e cinco dos seus funcionários e cortes no orçamento num total de mais de nove milhões de dólares.[6] Em maior ou menor grau, todas as denominações que acolheram os modernistas têm sofrido esse mesmo efeito. O modernismo tem fracassado demonstravelmente — de maneiras espetaculares.
Fontes:
[1]. John F. MacArthur, Jr.; The Truth War – Fighting for Certainty in an age of Deception. Nashville: Thomas Nelson, 2007, pp. 170 -171. Este livro deverá ser brevemente publicado em português pela Editora FIEL.
[2]. Charlotte Allen, “Liberal Christianity Is Paying for Its Sins”, Los Angeles Times, 9 de julho de 2006.
[3]. Ibid.
[4]. Ibid.
[5]. Ibid.
[6]. Jerry L Van Marter, “GAC Releases names of those laid off,” PresbyterianNewsService, Online: http://www.pcusa.org/pcnews/2006/06245.htm (acessado em 5 de Dezembro de 2006).
Site: http://www.gilsonsantos.com.br/htm/post-123.htm



 

A voz da Palavra Profética Copyright © 2011 - |- Template created by Jogos de Pinguins